Entrevista com Andrea El Maalouf Zaitoun

Desenho de Sir John Tenniel, ilustrador da primeira edição do livro Alice no País das Maravilhas, em 1865.

“As crianças brincam todo o tempo com as palavras, lhes atribuem outros sentidos, inventam outras para aquilo que não tem como enunciar. Uma criança angustiada sofre muito mais quando é incompreendida.”

Andrea El Maalouf Zaitoun é analista en formação no Instituto Latinoamericano de Psicoanálisis (ILAP), Quito – Equador

1 Qual é a relação entre Literatura e Psicanálise?

A Psicanálise guarda uma estreita relação com a literatura, se vamos a seus inícios, Freud como seus seguidores buscaram dar provas da validade de sua teoria e isso os levou a estender os alcances de sua doutrina além do homem histérico ou neurótico. Assim surge a convicção de que sua concepção “tornaria possível uma interpretação geral de todos os aspectos da cultura”.

A nova compreensão do homem introduzida por Freud abriu a porta à análise de “ aquilo que no homem não é o mais humano”; porém também, ao contrário, permitiu uma nova concepção do humano, onde o próprio homem é visto como passível de aperfeiçoamento, como uma tensão e uma luta, como uma convivência entre o racional, o reflexivo e irreflexivo, o consciente e in-consciente. De onde, então, que a psicanálise se constitua de fato em uma interpretação da cultura.

Bruno Bettelhein foi um escritor e psicanalista austríaco que expandiu o uso dos contos, unindo a esfera recreativa com o aspecto projetivo e reparador. Empregava a literatura em um contexto terapêutico com as crianças traumatizadas pela experiência nos campos de concentração nazista. Segundo B. Bettelhein, a tarefa mais importante da educação é a de ajudar a criança a encontrar sentido na vida e os contos de fadas transmitiram ao longo dos séculos sentidos tanto evidentes como ocultos. Estas mensagens chegam à criança tanto ao consciente, como pré-consciente e inconsciente.

As crianças brincam todo o tempo com as palavras, lhes atribuem outros sentidos, inventam outras para aquilo que não tem como enunciar. Uma criança angustiada sofre muito mais quando é incompreendida.

O brinquedo literário, além de divertir, acolhe a criança, o convida a explorar sua capacidade pensante, a transformar seu entorno e sua própria existência. Sigmund Freud em seu texto de 1907 intitulado: “O criador literário e o fantasiar” menciona que o poeta faz o mesmo que a criança que brinca: cria um mundo de fantasia o qual toma muito seriamente. Dota-o de grandes quantidades de afeto, ao mesmo tempo que o separa taxativamente da realidade efetiva. A obra literária facilita a liberação de tensões, assim como o convite a reinventar-se.

Tanto na infância como na adolescência, a literatura oferece vários caminhos aos labirintos da vida real. Através das histórias, a criança ou o adolescente podem ver desde a distância os paradoxos entre o interno e o externo, o próprio e o alheio, o pertencente ao outro e o que dele o toca, o afeta. Como dizia José Saramago: “Para vermos a ilha, temos de sair da ilha”. As histórias permitem deslocar-se do campo do eu no qual a criança se encontra imersa e transcender ao campo do outro, deles e de nós. Desenvolve desta maneira a empatia e constrói seu próprio sistema de regulação moral. Não sendo pouco, a literatura permite ao leitor ir além da história e tecer seus próprios sentidos; e eis aqui um de seus aportes mais belos: o convite à autoria.

2 – Como a literatura de ficção influencia em seu trabalho como psicanalista?

O uso da fantasia, o brinquedo e a literatura são recursos potentes no caminho de criar sentidos, apropriar-se dos afetos e colocá-los em cena no intercâmbio subjetivo com o terapeuta. A literatura permite transitar pelas fibras, admirar as cores, perceber os ruídos e encontrar vazios em que outras pontadas possam se realizar. Toda criança, inclusive a mais normal, experimenta angústia. Esse afeto se torna evidente quando a criança se sente desprotegida, carente de recursos psíquicos para superar situações ameaçadoras em sua vida cotidiana.  Medo à escuridão, aos monstros, aos animais, a ser roubado, a perder os pais, entre outros, revivem o trauma inicial do nascimento. Freud afirmava que a angústia desaparece quando a criança se torna de novo consciente da existência, presença e proximidade da pessoa amada, seja pelo contato ou porque escuta sua voz.

Ainda que a infância seja vista como um período precioso de brinquedos, risos, alegria e diversão, também está marcada pela travessia de crises devastadoras, a confrontação com medos, a presença de angústias e o sofrimento de viver em um mundo pensado e criado para os adultos. Como Winnicott dizia: “É tão normal a angústia na infância que poderíamos citar a vida de qualquer criança como exemplo desta”.

Maud Mannoni afirma que, se acaso se desconhece, se silencia ou se oculta o desejo de uma criança, este retorna como sintoma. Para a criança não é fácil se entender, dar-se um tempo e refletir sobre aquilo que sente. Entretanto, justo na desacomodação, no ponto onde se instaura o sofrimento, é possível criar questionamentos e, através da escuta, do diálogo e do intercâmbio subjetivo da criança e terapeuta, acompanhar o pequeno paciente em seu processo de apropriação de si mesmo, do contexto que o rodeia e dos outros. A terapia se torna um espaço de autoria no qual o que a criança pode narrar-se e neste processo conhecer-se e entender-se, aceitar-se e transformar-se.

3 – Que obra o autor de literatura lhe inspirou a ser criativo em seu trabalho?

A literatura conta com uma infinita riqueza de autores, a psicanálise foi minha primeira inspiração e com isso uma série de autores de literatura e de literatura infantil têm inspirado o caminho da análise com crianças e adolescentes.

Autores como Júlio Verne, contos clássicos de literatura universal, O Pequeno Príncipe, Sherlock Holmes, Alice no país das maravilhas, entre muitos autores de minha infância, inspiraram a criatividade de meu trabalho, em especial a meus pacientes, os quais motivaram este encontro com a literatura e a psicanálise. Cada criança, adolescente é o autor de sua própria história, falando de sua novela familiar, de seu mundo interior. O semiólogo Roland Barthes refere que ao ler imprimimos certa postura no texto, que é nossa invenção, e é por isso que o texto é vivo. Na experiência da leitura, emerge um suplemento de sentido que nem a gramática nem o dicionário podem dar conta. A experiência da leitura não é algo que se dê no simples ato de passar os olhos por um texto. Nem todas as história que escutamos ou lemos produzem esse efeito, justo porque é no contato com o leitor que se torna experiência, se transforma e floresce uma gama de significações. As crianças são leitores de contos, porém também de suas próprias histórias de vida. O processo de intervenção psicoterapêutica se torna uma ocasião para ler-se, narrar-se e transformar-se junto a um terapeuta que faz as vezes de testemunha, acompanhante nesta travessia.

Lorena Polo

lorenapolo1@hotmail.com

Sociedad Iberoaméricana de Salud Mental en Internet

Código de Ética de SISMI

Federación Psicoanalítica de América Latina.
Está en conformidad con el Código de Ética de SISMI
Nº de Acreditación: 54079 | Fecha de Acreditación: 2 de Septiembre de 2011

SEDE PERMANENTE

LUIS B. CAVIA 2640 APTO. 603
MONTEVIDEO 11300, URUGUAY
INFO@FEPAL.ORG
TEL. / FAX: (598 2) 707 5026
WhatsApp: +598 92 19 19 99

Leia Mais
Mensagem da Comissão Diretiva da FEPAL