Chamada para escrever: Erótica – até 20/10

Nada mais, nada menos que Erótica… A erótica indizível, a reprimida que, no entanto,
volta a nos visitar, a da loucura e da morte, do amor, a selvagem, a da prova que
assustou Breuer e desafiou Freud.


A psicanálise fez do erótico o tema e o cerne de sua prática. Dependerá do encontro
com ele a arte da análise, acomodando as formas singulares e inéditas como se
apresentam na experiência analítica.


Diante das mutações das subjetividades e das encruzilhadas políticas, sociais, éticas do
nosso tempo, propomos um espaço para o diálogo que integre a perspectiva
psicanalítica sobre o erotismo e suas derivas no sujeito.


Podemos articular um saber em relação ao erotismo?
E o sexual, sensualidade, amor podem ser questionados a partir dela?


A erótica freudiana inaugura uma nova episteme e funda o campo do sujeito do
desejo, do inconsciente, afastando a sexualidade do natural e expandindo-a para uma
pulsionalidade polimórfica, na qual o objeto é contingente. Nesta perspectiva a vida
pulsional liga fantasias inconscientes, marcas do desejo que não são determinadas
voluntariamente pelo sujeito, mas que o determinam.


O erotismo coloca a vida em questão. Afinal, apenas nós, humanos, fazemos da
sexualidade uma atividade erótica, uma fenda da sensualidade humana, uma fonte de
prazer e desprazer. Como pensamos os excessos no erotismo? Como se articulam
prazer, perigo e dor? Quais são os nossos dipositivos para tal escuta?


Entendemos que o erótico é o modo como cada um lida com o sexual, com a
alteridade, com a diferença, com a falta. Seria o polimorfismo a maneira pela qual a
psicanálise nomeou a diversidade?


O campo do erotismo convida a atravessar a escuridão, um resto enigmático, como
aquele que escapa e desafia o saber. Estamos interessados ​​em seus deslocamentos e
substituições como formações do inconsciente. Seus caminhos, como indicam as
derivações na etimologia, vagar, errar. Que nos levam ao desejo, ao infantil atualizado
no escritor criativo, à arte em sua possibilidade sublimatória; a erótica como parte da
criatividade humana.


As lógicas do mercado incorporam as “sexs shops” ao nosso cotidiano, afetando a
dimensão pública e privada da experiência. Como algumas vias pulsionais, como a voz
e o olhar, têm sido privilegiadas na erótica dos corpos na era digital? Haveria espaço
para qualquer manifestação de Eros no mundo contemporâneo? Qual seria? E a
investidura erótica do outro, como objeto de amor?

Eros é amor e medo (espanto)… êxtase e horror. É um desafio decifrar suas formas
mais destrutivas. Como o gozo mortífero, a crueldade, a objetificação do outro.
Esperamos abrir um espaço para interrogar a violência, os modos de dominação e
percorrer os discursos normativos que criam taxonomias de raça e sexo, tão presentes
em nossa América Latina.


Desejamos que o tema da próxima Caliban seja um estímulo para a escrita, para
textualidades que atraiam a complexidade do erótico.


Para nos permitir outras propostas e outros caminhos de leitura, abrimos a chamada
Convidamos para que enviem suas propostas de trabalho.
Estes devem ser endereçados a:


revistacaliban.rlp@gmail.com o editorescaliban@gmail.com

O prazo para submissão dos trabalhos será 20 de outubro de 2022.

Sociedad Iberoaméricana de Salud Mental en Internet

Código de Ética de SISMI

Federación Psicoanalítica de América Latina.
Está en conformidad con el Código de Ética de SISMI
Nº de Acreditación: 54079 | Fecha de Acreditación: 2 de Septiembre de 2011

SEDE PERMANENTE

LUIS B. CAVIA 2640 APTO. 603
MONTEVIDEO 11300, URUGUAY
INFO@FEPAL.ORG
TEL. / FAX: (598 2) 707 5026
WhatsApp: +598 92 19 19 99

Leia Mais
51st IPA Congress THE FEMININE
X