Sartre ou o Inconsciente como Álibi

Autor: Roberto B. Graña

Sociedade: Sociedade Brasileira de Psicanálise de Porto Alegre

Email: rbgranha@gmail.com

Título: Sartre ou o Inconsciente como Álibi

Edição: Editora Age – Porto Alegre, 2019

Palavras-chave: filosofia, psicanálise, fenomenologia, existencialismo, transdisciplinaridade.

Contracapa

Ao publicar Une renaissance sartrienne (Gallimard, 2013), onde reúne entrevistas feitas com intelectuais, professores, artistas e políticos em dife­rentes países do mundo, Annie Cohen-Solal, principal biógrafa de Sartre, diz-se impressionada com a retomada do estudo da obra do filósofo nas mais importantes universidades europeias e americanas. Diante de tal redescoberta de Sartre, profetizada por Barthes nos anos 70 e pessoalmen­te confirmada por Cohen-Solal recentemente, e diante do rapport do Grupo de Estudos Sartreanos, que se reúne anualmente na Sorbonne no dia 21 de junho (dia do nascimento do filósofo), de que Sartre é hoje “o escritor-filósofo mais estudado e mais citado de seu tempo”, uma pergunta se impõe ao pensador transdisciplinar da psicanálise: Poderá o pensar psicanalítico contemporâneo permanecer indiferente a esse autor, quando suas ideias não cessam de fazer trabalhar as maiores inteligências dos gran­des centros de pensamento  em Humanidades?

Minha resposta, como psicanalista, escritor e pensador da psicanálise materializa-se neste livro. Sartre soube, como nenhum outro autor, captar o essencial da subjetividade do homem contemporâneo – e isso não se limita ao vazio ou à desolação do pós-guerra. Que Bernard-Henry Lévy o apresente como o filósofo do século, em seu Le Siècle de Sartre, publicado nos 20 anos de sua morte e no primeiro ano do século XXI, bem diz da sua sustentada importância nos campos filosófico e literário; sua importância para a psicanálise é a fortiori confirmada. Sartre soube apontar a perda da dimensão existencial no marxismo, na psicanálise e, desde o início, também no estruturalismo, ao qual se referia como um “positivismo dos signos”. Esta ausência é justamente o que decreta o declínio do formalismo e conduz a um pós-estruturalismo a partir do qual a psicanálise contemporânea precisará ser necessariamente redescrita.

Sociedad Iberoaméricana de Salud Mental en Internet

Código de Ética de SISMI

Federación Psicoanalítica de América Latina.
Está en conformidad con el Código de Ética de SISMI
Nº de Acreditación: 54079 | Fecha de Acreditación: 2 de Septiembre de 2011

SEDE PERMANENTE

LUIS B. CAVIA 2640 APTO. 603
MONTEVIDEO 11300, URUGUAY
INFO@FEPAL.ORG
TEL. / FAX: (598 2) 707 5026
WhatsApp: +598 92 19 19 99

Leia Mais
Sujeto Psíquico – Lazo Social