Psicanálise na era da Pandemia

O grupo editorial do ejournal Psychoanalysis.Today decidiu publicar uma edição especial sobre a pandemia (clique aqui para acessá-lo). Esta edição apresenta uma alteração de formato com artigos curtos escritos por autores das diferentes regiões que compõem a comunidade de associações psicanalíticas. Essa decisão foi tomada levando em conta este momento em que a atenção da humanidade se concentra na descrição e no controle da COVID-19. Esta doença é uma ameaça cujas consequências atualmente são desconhecidas.

Haverá o anúncio de um novo normal? As mudanças produzidas pela pandemia serão irreversíveis? Quais serão as influências para a psicanálise? 

Temos mais perguntas do que respostas. A partir do advento da pandemia acentuou-se a modalidade virtual na prática da psicanálise. Algumas modificações de enquadre e de técnica poderão até retroceder, porém terão deixado sua marca.

Nesta introdução, a partir do nosso lugar de editores de diversas nacionalidades da Psychoanalysis.Today queremos deixar o testemunho de cada um de nós sobre a maneira que vivemos a experiência da pandemia.

Ursula Burkert EPF: Após décadas de vida na prosperidade e liberdade, a conscientização cada vez maior da mudança climática e a pandemia da COVID-19 evidenciou que tudo isso não é evidente em si e está limitado por uma realidade em mudança. Todos nós estamos lamentando perdas e sofrendo medos. Como resultado, parece desenvolver-se a consciência e também a gratidão por aspectos mais básicos da vida. 

Daniel Biebel – FEPAL: Precisamos, tal como fizemos nos tratamentos psicanalíticos pré-COVID, manter nossa mente e a do nosso paciente trabalhando em conjunto, antes, durante e após a tormenta. Esse é o nosso compromisso, essa é nossa competência. 

Marina Bilenky – FEPAL: A pandemia revelou, de forma muito pungente, a desigualdade já conhecida no Brasil e no mundo. Testemunhamos os esforços da população para cuidar de si e da comunidade como forma de enfrentar o desamparo e a desesperança que surgem devido à crise política e social que assola o país. 

Chantal Duchêne-González – EFP: O fim do confinamento trouxe muitas incertezas sociais e aumentou o nível de ansiedade dos pacientes.

Helen Fronshtein – NAPSAC: Dois analistas dos Estados Unidos discutem as diferenças das experiências da COVID-19 para cidadãos de cor e cidadãos brancos. Privilégio é um previsor que define a gravidade e o resultado desta pandemia. 

Adrienne Harris – APsaA: A pandemia é uma forma de après-coup, traumática em si, uma ameaça à vida. Mas também é momento presente que abre e ativa, para todos nós, memórias de nossos traumas iniciais, para cada pessoa da maneira específica em que a assombra. 

Gouri Salvi IPA: Dois psicanalistas – da Austrália e de Israel – refletem sobre a mudança para sessões online em tempos de COVID-19 mantendo a esperança de que haja compreensão multidimensional mesmo através de telas planas. 

A pluralidade de autores permitirá ao leitor entrar em contato com diferentes temas e realidades além de compartilhar o esforço de cultivar o conhecimento da psicanálise em tempos de pandemia. 

Convidamos o leitor a percorrer a publicação na esperança de que esta promova a possibilidade de uma abertura diante de tanto confinamento. 

Sociedad Iberoaméricana de Salud Mental en Internet

Código de Ética de SISMI

Federación Psicoanalítica de América Latina.
Está en conformidad con el Código de Ética de SISMI
Nº de Acreditación: 54079 | Fecha de Acreditación: 2 de Septiembre de 2011

SEDE PERMANENTE

LUIS B. CAVIA 2640 APTO. 603
MONTEVIDEO 11300, URUGUAY
INFO@FEPAL.ORG
TEL. / FAX: (598 2) 707 5026
WhatsApp: +598 92 19 19 99

Leia Mais
Dor psíquica, dor corporal: uma abordagem multidisciplinar