O mundo está fechado? Reflexões sobre o efeito da pandemia e isolamento em crianças com dificuldades em sua subjetividade.

Hoje, com a generosa contribuição da Drª Claudia Bregassi, o Semear nos convida a olhar para as crianças com dificuldade de subjetivação.

O mundo está fechado? Reflexões sobre o efeito da pandemia e isolamento em crianças com dificuldades em sua subjetividade.*

Drª Claudia Bregassi

Psicanalista Membro titular com função didática da APdeBA

Estamos diante de uma situação sem precedentes, que nos pegou de surpresa e mudou substancialmente nossas vidas. Toda a família em casa, os meninos sem poder sair ou se mudar muito. A imobilidade é um dos estados menos tolerados pelas crianças. De fato, uma menina de 3 anos e meio de idade, a quem foi negado o pedido de sair para um lugar de que gostava, argumentando que não era possível por causa do coronavírus, argumentou filosoficamente “sim, eu sei … mundo está fechado. “

Esse é o sentimento das crianças, e também do menino e da menina que todos carregamos: um fechamento abrupto do que despertava nosso interesse e das situações que nos davam prazer, uma suspensão de tempo que faz todos os dias parecerem iguais … Calendário “congelou”, isso vai acabar?

As crianças têm uma maneira de reagir que às vezes confunde os adultos e os fazem percorrer caminhos que nem sempre melhoram as coisas, o que pode levar a uma série de mal-entendidos em cadeia que todos passam com dificuldade. Uma criança triste pode estar muito irritável e agressiva, no luto pela escola, pelos amigos, pela rotina e também pelos pais, que às vezes estão diferentes, preocupados em perder o emprego, adoecer, por conta de seus próprios pais – os avós da criança – que nem sempre os podem ver.

Agora bem, em algumas famílias, existem situações especiais que tornam esse esforço de compreensão e adaptação entre pais e filhos ainda mais delicado: um deles pode ser uma criança que, antes desse evento, estava lutando, junto com sua família, pelo que os profissionais chamam de “subjetivação”, isto é, tornarem-se donos de si e, ao mesmo tempo, relacionar-se com os outros. De fato, assim nos tornamos humanos: desenvolvendo nossas potencialidades em uma matriz de relacionamentos afetivos.

Essas crianças – às vezes rotuladas como sofrendo atrasos no desenvolvimento ou no espectro autista – têm um pouco mais de dificuldade em se conectar a essa rede de relacionamentos,  elas eram afetuosamente ajudadas por suas famílias e por uma equipe de profissionais com os quais se sentiam protegidos bem como por um sistema de rotinas e lugares conhecidos, e tiveram que repentinamente abandonam essas rotinas e lugares  e podem se sentir perdidos.

Assim, como para a nossa menina de três anos e meio, totalmente normal, que desfrutou de suas amigas, sua escola, seus pais jovens e ativos, o mundo se fechou abruptamente esses meninos e meninas, que nem sempre tem clareza sobre a  diferença entre eles e o mundo ao seu redor, podem se sentirem muito ameaçados e “fecharem-e” defensivamente e mimeticamente neles mesmos.

Eles podem então retroceder, reforçar o isolamento, voltar a comportamentos de autoestimulação que já haviam abandonado – rede, chupar o polegar sem motivo aparente, machucar a si mesmos – ou simplesmente “colapsar”: tornarem-se mais desinteressados, mais retraídos. Ou chorar sem motivo aparente, excitarem-se, perambular irregularmente de novo … Podemos evitar? Podemos moderar o sofrimento deles e, ao mesmo tempo, aliviar o nosso?

Parafraseando Bernard Golse, graças a seus tratamentos, esse menino ou menina estava aceitando “que o mundo exterior existe e que não é uma ameaça para ele”… quando de repente o mundo parece se tornar uma ameaça para todos os que nele vivem. Alguém ou algo “chutou o tabuleiro” e é difícil manter as peças no lugar. Cada pai ou mãe deve se adaptar da maneira que puder às novas necessidades da criança: ser tranquilizado e, ao mesmo tempo, manter um relacionamento tênue consigo mesmo e com os outros com quem já havia alcançado. Não há regras definidas. Mas podemos dar algumas dicas que podem orientá-lo:

– Dependendo do momento evolutivo de cada criança, tente explicar o que está acontecendo com palavras simples ou com algum desenho;

– Repita carinhosamente quantas vezes for necessário;

– Respeite o retraimento da criança, mas mantenha-se atento às suas mínimas tentativas de reconexão.

– Manter contato com os profissionais que cuidam da criança e da família através de vias alternativas; telefone, whatsapp, Skype. No entanto, não force a criança a se conectar, se ela não quiser. Em outras palavras, mantenha ativamente contato com o mundo e permita que a criança permaneça em segundo plano observando o que fazemos; em algum momento, ela irá querer intervir mesmo com um gesto ou uma palavra.

– Permita que a criança fique com raiva; é claro, sem se magoar ou magoar os outros. E, se possível, transforme em uma brincadeira “fique bravo com o coronavírus”, que permite uma via de descarga com um pouco de humor.

– Favorecer formas simbólicas de expressão, se a criança puder; ou, na sua falta, oferecem alguns símbolos simples: um desenho, uma música, um gesto que aja como uma nova rotina tranquilizadora e, por sua vez, como um espaço transicional.

Sabemos que estamos em uma crise, também tendemos a saber que, como consequência das crises, podemos nos enfraquecer ou emergir mais fortes. Cada pessoa e cada família tem sua própria maneira de passar por elas e de abrir portas que estão fechadas ou que ameaçam se fechar. Vamos abrir as portas existentes e habilitar novas que se comuniquem com os novos espaços mentais e relacionais. Vamos converter tempo circular em tempo linear com passado, presente e futuro. Nós, psicanalistas, estamos dispostos a colaborar nesse sentido, também aprendendo com a experiência.

* Texto Publicado anteriormente nos sites da APdeBA – Associação Psicanalítica de Buenos Aires e da IPA.

** Médica Psicanalista, especialista em Psicanálise de Crianças e Adolescentes. Membro titular com função didática da APdeBA. Coordenadora da Área de Autismo e Patologias Graves da Infância da APdeBA. Diretora da Especialização em Psicologia Clínica de Crianças e Adolescentes do IUSAM da APdeBA. Email clau.bregazzi@gmail.com

*** Golse, Bernard. Sobre o que não podemos desistir. In French Journal of Psychoanalysis, 2012. Revista online Controversies in Psychoanalysis of Children and Adolescents. Link controversiasonline.org.ar Dossiê nº 13 sobre autismo, 2013

Sociedad Iberoaméricana de Salud Mental en Internet

Código de Ética de SISMI

Federación Psicoanalítica de América Latina.
Está en conformidad con el Código de Ética de SISMI
Nº de Acreditación: 54079 | Fecha de Acreditación: 2 de Septiembre de 2011

SEDE PERMANENTE

LUIS B. CAVIA 2640 APTO. 603
MONTEVIDEO 11300, URUGUAY
INFO@FEPAL.ORG
TEL. / FAX: (598 2) 707 5026
WhatsApp: +598 92 19 19 99

Leia Mais
Entrevista com Jurema Werneck: Diretora Executiva da Anistia Internacional