Grupos de Estudo

Regulamento para os grupos de estudo da FEPAL

Conformação

1. Devem ser integrados por membros de pelo menos duas sociedades componentes da FEPAL e respaldados por suas respectivas sociedades. Recomenda-se que sua integração seja multisocietária, o que responde ao espírito de integração e intercâmbio entre analistas de distintas regiões e culturas psicanalíticas latino-americanas.

2. O grupo de estudo deve ter no mínimo seis meses de atividade prévia à solicitação para ser aceito como grupo de estudo da FEPAL.

3. Cada grupo deverá ter uma organização formal para seu funcionamento e para isso deverá nomear um Coordenador, Co-coordenador e Secretário, a fim de facilitar a comunicação com as áreas científicas e administrativas da FEPAL.

4. O grupo deverá definir seus objetivos, atividades e projetos a serem desenvolvidos dentro das temáticas de interesse para o desenvolvimento da psicanálise.

5. A integração dos seus membros, tanto no início como sucessivamente, fica a critério de cada grupo.

Solicitação de ingresso à FEPAL

6. Para começar a funcionar como grupo de estudo de pleno direito no marco da FEPAL, o grupo deverá enviar um relatório onde conste: data de início, objetivos, atividades desenvolvidas até o presente momento e projetos a serem desenvolvidos futuramente. Também deverá informar os nomes dos seus integrantes, as sociedades da qual fazem parte e os e-mails do coordenador, do co-coordenador e do secretário.

7. Esta solicitação será enviada à Diretoria Científica com cópia para a Sede Administrativa da FEPAL. Da mesma forma, ao terminar as suas atividades pelas razões que o grupo considerar, o Coordenador deverá informar à Diretoria Científica e à Sede.

Funcionamento dentro da FEPAL

8. DIFUSÃO. Pertencer à FEPAL como grupo de estudo exige a difusão do seu trabalho dentro da comunidade da FEPAL, quer seja em congressos, através de publicações, cursos via Skype, resultados de trabalhos de investigação, ou outras atividades que podem ser propostas com este objetivo. Os dados que constam no item número 6 serão informados aos membros através da web da FEPAL.

9. DURAÇÃO. A duração do grupo dependerá da participação ativa deste nas atividades citadas no item número 6, fruto do trabalho comprometido e interessado dos seus integrantes, como também da sua contribuição à comunidade analítica. De todas formas, no lapso de dois anos o grupo avaliará a possibilidade de continuidade e, caso seja afirmativo, enviará à Diretoria Científica a sua decisão fundamentada na tarefa a ser realizada.

10. RELATÓRIO. No mês de março de todos os anos cada grupo deverá encaminhar um relatório à Diretoria Científica das atividades desenvolvidas durante o ano que está terminando, antes do mês de dezembro.

11. APOIO DA FEPAL. Os grupos de estudo da FEPAL receberão o apoio para a difusão das suas atividades científicas através dos meios de comunicação da FEPAL; caso queiram participar de eventos particulares a Diretoria Científica se encarregará de avaliar a proposta. Os grupos de estudo não receberão ajuda econômica da FEPAL.

Os grupos que se encontram em funcionamento deverão informar à Diretoria Científica, em breve, os aspectos solicitados nos itens número 3, 6 e 11, cujo objetivo é dispor de maior informação para uma colaboração conjunta e capitalizar a existência dos grupos dentro da FEPAL.

 

Idosos

Coordenador:
Dr. Osvaldo Bodni: bodni@psicoanalisis.com.ar

 

ALOBB (Associação Latino-americana de Observação de Bebês)


Coordenadora: Hilda Botero / Suplente: Alicia Lisondo
contacto@observacióndebebes.com

www.observaciondebebes.com/

Grupo de estudo da comissão científica da Federação Psicanalítica da América Latina, FEPAL. Pertencente à Associação Internacional para o Desenvolvimento da Observação de Bebês, método BICK, AIDOBB.

Grupo de estudo da comissão científica da Federação Psicanalítica da América Latina, FEPAL. Pertencente à Associação Internacional para o Desenvolvimento da Observação de Bebês, método BICK, AIDOBB.

A Associação Latino-americana de Observadores de Bebês, Método Bick (ALOBB) é uma organização fundada em 6 de setembro de 2014, no transcurso do 30° Congresso da Fepal, em Buenos Aires. É integrada por 34 instituições psicanalíticas ou não psicanalíticas que trabalham na observação de bebês em países do norte e sul do Continente Americano, cujas línguas predominantes são espanhol (Argentina, Chile, Colômbia, Peru, Uruguai e México) português (Brasil) e inglês (EUA). Em maio de 2016, foi aceito como grupo de estudo pela Comissão Científica da Federação Psicanalítica da América Latina (FEPAL).

Cada país possui coordenadores representantes dos grupos existentes e dos que vão se formando nas diferentes cidades. A ALOBB está aderida à AIDOBB – Associação Internacional para o Desenvolvimento de Observação de Bebês, método Bick, tendo como presidente Rosella Sandri.

Os objetivos principais da ALOBB são:
– Fortalecer a divulgação na América Latina do método de Observação de Bebês, criado por Esther Bick, em 1948, atualmente difundido em todo o mundo e que, além disso, em muitos países faz parte da formação de psicanalistas.

– Incentivar sua aplicação nos diferentes âmbitos dos países latino-americanos com suas diversidades culturais e realidades sociais particulares.

– Enfatizar a investigação do desenvolvimento emocional partindo do vértice da Observação de Bebês, do ventre materno aos primeiros anos de vida da criança.

– Ampliar, através das aplicações do método, o trabalho em sala de aula com crianças e adolescentes.

Sociedad Iberoaméricana de Salud Mental en Internet

Código de Ética de SISMI

Federación Psicoanalítica de América Latina.
Está en conformidad con el Código de Ética de SISMI
Nº de Acreditación: 54079 | Fecha de Acreditación: 2 de Septiembre de 2011

SEDE PERMANENTE

LUIS B. CAVIA 2640 APTO. 603
MONTEVIDEO 11300, URUGUAY
INFO@FEPAL.ORG
TEL. / FAX: (598 2) 707 5026
WhatsApp: +598 92 19 19 99