É melhor entrar no debate que manter-se à margem

Desde as diferentes áreas da Diretiva FEPAL, desde as diferentes áreas das Sociedades e Institutos, o entusiasmo continua a crescer e aumentar o trabalho de preparação para o 33º Congresso América Latina de Psicanálise, que acontecerá de 21 a 23 de Setembro 2020.
As intenções de trabalho continuam chegando e se espalham propostas múltiplas em relação aos diferentes eixos que estruturam um novo e original modelo que convoca ao debate e intercâmbio de informações entre a psicanálise e as diferentes disciplinas, a cultura, a arte, as áreas marginais de nossas sociedades e a Universidade, entre outros.
É claro que cada Congresso reuniu as preocupações,  problemáticas e desafios do contexto sociocultural em que se desenvolveu, mas talvez hoje, ao contrário de outras vezes, encontramos uma América Latina convulsionada, com surtos de violência que afetam o tecido social produzindo efeitos em diferentes estratos sociais de nossa região e, ao modo dos sinistros, parecem nos trazer de volta ao tempos dolorosos de um passado recente.

Animarmos a atravessar fronteiras nestes novos tempos em que estamos transitando e enfrentar o inédito e o desconhecido, implica colocar em questão, para poder interrogá-los novamente, os conceitos fundamentais que sustentam o nosso paradigma, bem como os efeitos que esse posicionamento pode ter nas diferentes práticas.

A ênfase colocada em fazer deste Congresso um espaço plural que permita a ampla participação de interlocutores válidos provenientes de “extramuros”, convocando pensadores da cultura, da sociedade e da política. É uma oportunidade e também um desafio para continuar pensando sobre o nosso papel como analistas, nossa maneira de transitar em diferentes espaços, nossa capacidade de dialogar com interdisciplinares e trabalhando nas áreas marginais de nossas sociedades, com aqueles que F. Fanon soube chamar de “os condenados da terra”.
Desafios que nos levam a repensar sobre as nossas práticas clínicas. O que entendemos hoje pela prática clínica fora de institutos e instituições? Em que consiste o trabalho analítico quando deixamos o ambiente protetor de nossas sociedades, lugares onde dialogamos a partir de suposições básicas compartilhadas?
Quais são os limites que enfrentamos? Estamos tão distantes do contexto político cultural que Freud viveu: guerra, a crise econômica, a ascensão do nazismo, o crescente racismo? Todas as situações que começam a ser perfiladas em nosso continente por ameaças apocalípticas do final dos tempos que se afastam das crenças antes religiosas para afundar suas raízes nas realidades científicas e concretas em relação às mudanças climáticas e à destruição e desmatamento dos “pulmões do mundo”.
E essas novas realidades nos preocupam como analistas? Tem alguma coisa a ver com a nossa disciplina, teremos que tomar uma posição contra eles ou vamos deixar a responsabilidade para as gerações mais jovens?
Permaneceremos em silêncio individual e institucionalmente em face de marchas e reclamações contra a homofobia, a destruição da Amazônia, o desaparecimento no México de um grupo de estudantes assassinados, ou de crianças separadas de seus pais na fronteira com o México, ou sobre os Direitos Humanos?

Acaso a psicanálise não é capaz de contribuir com seu olhar e sua reflexão dando uma compreensão do sujeito que ajude a entender a dinâmica psíquica em jogo e com ferramentas com as quais esses tempos podem ser enfrentados, que parecem se acercar aos tempos de barbárie? Se pode prescindir de um diálogo com a cultura sem afetar o campo analítico?
Todas as perguntas às quais podemos aderir citando J.B. Pontalis, que parte da base que não existe cultura concebível (nem a psicanalítica?), sem crenças absolutas, e acrescenta: “É melhor entrar no debate do que manter-se à margem, porque a cientificidade exibida aponta a impor o silêncio “.

Estes são alguns dos eixos, entre muitos outros, que na minha opinião podem ser implantados nos diferentes espaços do Congresso.
Continuaremos a pensar não apenas nas fronteiras da psicanálise em nossa região convulsionada, mas também no compromisso ético em que, individual e coletivamente, as nossas sociedades têm ou deveriam ter frente aos fortes desafios desta época, marcados pela queda de utopias e discursos de solidariedade, referências de identidade que orientaram os nossos ideais. Ao mesmo tempo, nos encontramos muitas vezes desprovidos de ferramentas para abordar os novos referentes simbólicos, o impensável, desafio que nos leva a continuar transitando, interrogando e investigando o claro-escuro do nosso paradigma.

Somos então confrontados com o que é e com o que não é psicanálise, não apenas por um desejo descritivo ou qualificado, mas pela necessidade de continuar descobrindo e apostando no “valor transformador da conceitos”, como Julia Kristeva colocou bem, na abertura do último congresso da IPA, em Londres.

María Cristina Fulco
Janeiro 2020

Sociedad Iberoaméricana de Salud Mental en Internet

Código de Ética de SISMI

Federación Psicoanalítica de América Latina.
Está en conformidad con el Código de Ética de SISMI
Nº de Acreditación: 54079 | Fecha de Acreditación: 2 de Septiembre de 2011

SEDE PERMANENTE

LUIS B. CAVIA 2640 APTO. 603
MONTEVIDEO 11300, URUGUAY
INFO@FEPAL.ORG
TEL. / FAX: (598 2) 707 5026
WhatsApp: +598 92 19 19 99

Leia Mais
Psychoanalysis and Law (runner-up): Juan Pinetta (APA)