Entrevistas com os 7 Representantes da América Latina no Board da IPA – Anette Blaya Luz

  1. O que significa para você ser um representante da América Latina no Board da IPA e qual é a importância da comunicação entre os representantes e a FEPAL?  

Ser eleita como representante ao Board da IPA me trouxe imensa satisfação. Poder contribuir para os desenvolvimentos teóricos, técnicos, políticos e administrativos, no seio de nossa instituição maior, é motivo de muita alegria e representa bastante trabalho.

O intercâmbio constante com as instituições federativas da Fepal, em especial as brasileiras, é fundamental para que seja possível um bom desempenho nessa tarefa. Isto porque o Representante deve, acima da tudo, representar os pensamentos, anseios e preocupações daqueles que ele, ou ela, representam. Em vista disso é fácil compreender por que essa comunicação é tão fundamental.

2- O mundo está caótico, os princípios que norteiam o tratado dos “Direitos Humanos” estão cada vez mais sendo atacados, para você, o que a Psicanálise tem a ver com isso?  

A Psicanálise está sempre imersa na cultura. Ela é, inclusive, fruto da cultura repressora prevalente à época de Freud. Não existe a possibilidade de pensarmos uma Psicanálise dissociada da cultura onde ela é exercida. Com essa premissa entendo que tudo o que esteja relacionada à cultura vigente tem importância para a psicanálise. Essa interrelação determina muitas evoluções que transformam a psicanálise e a tornam uma ciência moderna, dinâmica e em sintonia com os sofrimentos da alma humana. Uma psicanálise anacrônica é menos útil.

3- O que pensa sobre os modelos de Formação nos Institutos de ensino e também sobre a autonomia das sociedades psicanalíticas em relação aos modelos vigentes? 

Respeitando algumas cláusulas pétreas da formação psicanalítica proposta pela IPA, como a análise didática, os seminários teóricos e as supervisões, penso que cada Instituto pode fazer os ajustes que julgar úteis e necessários para o bom desenvolvimento de seus candidatos. A mudança na frequência das sessões de 4 para 3 em alguns institutos é um bom exemplo disso. 

  • o que pensa sobre a integração de candidatos (representantes) nas diretorias dos Institutos?

Penso que os candidatos têm muito a contribuir para melhorar suas formações, mas as Diretorias dos Institutos não são os fóruns mais adequados para essas participações.

  • o que pensa sobre a categoria de “analista didata” nos Institutos?

Desde que a condição de analista didata seja uma função, e que esta seja reavaliada de tempos em tempos, penso que como função pode ser útil. Como categoria estanque acho que é prejudicial, afinal não é para ter vitaliciedade.

  • considera que existe diferença entre análise pessoal e análise didática?

Não deveria existir diferença entre a análise didática e a análise comum. Ambas são análises pessoais. Mas é inegável que existe um “superego institucional” representado pelo Instituto. Quanto mais maduro e saudável for a dupla tanto mais independente do instituto essas análises serão.

  • quais são para você as profissões que se admitem para o ingresso nos Institutos de formação psicanalíticas? Médico ou Psicólogo somente? Outras mais?

Nunca me detive nessa questão. Não tenho uma opinião fechada a esse respeito. Penso, a princípio, que a condição de psicanalista pode ser exercida por outras categorias profissionais, pois é uma atividade que depende muito mais de outras questões (como a capacidade de desenvolvimento de uma boa função psicanalítica da personalidade) que é independente do diploma da graduação.

4- As sociedades psicanalíticas têm tentado fazer mudanças, levando em consideração fatores sociais, políticos e culturais. Qual a sua opinião a respeito de “análise à distância” para pessoas que residem em regiões distantes dos grandes centros?

Análises à distância são úteis em circunstâncias muito especiais, mas sempre mescladas com encontros presenciais.

5- Levando-se em conta o texto de Freud, “Recordar, repetir, elaborar”, de que forma a psicanálise pode contribuir com a questão da memória coletiva e dos laços sociais? Neste contexto, como analisar as palavras de ordem: “Ninguém solta a mão de ninguém”, “Tortura nunca mais” ou “Lembrar para nunca esquecer”?

Como analistas não devemos nos eximir de participar na vida social, cultural e política do universo onde estamos imersos. Somo seres sociais, políticos e fazemos parte de uma cultura. No entanto, penso que a psicanálise não deve ter posturas partidárias. Respeito aos direitos humanos sim, partidarismos não, pois me parecem apaixonados demais para serem úteis à psicanálise.

6- O próximo congresso da FEPAL, em 2020, terá como tema “Fronteiras”. De que ponto de vista abordaria as fronteiras psicanalíticas?

Achei a eleição do tema extremamente feliz. Me apaixonei pelo tema já à primeira vista. No escopo desse tema muitas são as possibilidades. Desde as mais óbvias como os diagnósticos fronteiriços, até as mais abstratas como por exemplo as fronteiras entre neutralidade e rigidez ou afrouxamento da neutralidade e atuações no setting.

Sociedad Iberoaméricana de Salud Mental en Internet

Código de Ética de SISMI

Federación Psicoanalítica de América Latina.
Está en conformidad con el Código de Ética de SISMI
Nº de Acreditación: 54079 | Fecha de Acreditación: 2 de Septiembre de 2011

SEDE PERMANENTE

LUIS B. CAVIA 2640 APTO. 603
MONTEVIDEO 11300, URUGUAY
INFO@FEPAL.ORG
TEL. / FAX: (598 2) 707 5026
WhatsApp: +598 92 19 19 99

Leia Mais
Caminhos de Investigação – Métodos Clínicos Comparados da América Latina