Entrevistamos Mariano Horenstein e Emilio Roca

“A psicanálise tem coisas importantes a dizer. Sair de nossos consultórios e dizê-las, sem que isso implique em deixar de lado a especificidade de nosso ofício, nos parece uma responsabilidade inevitável, como psicanalistas e como cidadãos” (M. Horenstein, 2020).

“Estamos atravessando uma verdadeira crise, a primeira que temos que viver em uma dimensão mundial que nos confronta com um Real da enfermidade e da morte, Real inevitável que nos obriga a afinar nosso instrumento de trabalho, “a escuta”, e a ensaiar outras formas de resposta” (E. Roca, 2020).

Entrevistamos Mariano Horenstein, atual Diretor do Instituto de formação da Associação Psicanalítica de Córdoba, e Emílio Roca, atual Secretário do Instituto de formação da Associação Psicanalítica de Córdoba.

Mariano Horenstein é psicanalista com função didática. Foi editor da Revista Calibán. Publicou “Psicanálise em língua menor”, “Bússola e divã” e vários artigos em periódicos. É membro do grupo internacional de investigação “Geografias da psicanálise”.

Emilio Roca é membro fundador da Associação Psicanalítica de Córdoba, com função didática e docente da disciplina sobre Lacan. Foi eleito por três vezes presidente da APC e por duas vezes vice-diretor do Instituto de formação dessa instituição.

EMILIO ROCA:

Como você pensa a psicanálise em tempos de crise? Quais são as particularidades da Formação de analistas nos tempos atuais?

Estamos passando por uma crise real, a primeira que temos que viver em uma dimensão global que nos confronta com uma realidade de doença e morte, uma realidade inevitável que nos obriga a refinar nosso instrumento de trabalho, “a escuta”, e a tentar outras formas de resposta que excedem a interpretação e se aproximam à ordem do ato analítico (Lacan). Desde a mudança de cenário, saindo dos consultórios, substituindo-os por chamadas telefônica ou vídeo chamadas etc. que, na minha opinião, favorecem o fantástico, marcam uma mudança substancial, na qual só o forte “desejo do analista” consegue a aceitação do método por nossos analisantes, mantendo sua disposição de entrega à livre associação e, em caso de iniciar entrevistas preliminares já durante a quarentena, superam as dificuldades, permitindo a instalação do dispositivo analítico para tornar possível o início da análise. As modalidades de nossa intervenção são tão variadas que, a meu ver, só poderiam ser abordadas revisando vinhetas clínicas, já que na minha experiência, observo uma acentuação de “caso a caso” com o conseqüente afinamento de nossa “atenção flutuante”, que nos surpreende com o surgimento de respostas inesperadas.

Como manter a palavra circulando além da dramática do contágio dos corpos? De que maneira sensibilizar aos analistas em formação para a escuta entre o que atravessa a subjetividade e os acontecimentos sociais?

Por que manter a palavra circulando mais além da dramática dos corpos? Por que desperdiçar esta excelente oportunidade para escutar essa dramática geralmente evitada? O corpo, campo de circulação da pulsão desde sua fonte erogeneizada pelo contato com o Outro que assim a introduz, até seu trajeto num movimento envolvente em torno ao designado “objeto a”. Objeto sempre velado que, com o acréscimo da linguagem, são a causa do sujeito. É a pulsão que, com sua constante pressão, junto com o inconsciente (freudiano) sede do desejo, vem pôr limite, golpeando duramente à formação identitária, imaginária e encobridora que é o Ego, pela qual devemos necessariamente passar no processo analítico, dando lugar ao surgimento da divisão subjetiva. Onde era Ego o sujeito deve advir.

MARIANO HORENSTEIN

Em sua experiência, que efeitos têm a ruptura da ilusão de que o analista não padece das mesmas dificuldades que o analisando, como sucede com a pandemia atual do coronavírus.

Quais são as implicações clínicas e de que modo pode se transmitir o praticar a psicanálise em tempos de crise?

Todo analisante sabe que quem a escuta pertence a mesma espécie e enfrenta dificuldades similares. Ao mesmo tempo, a ilusão transferencial constrói um analista mais ou menos imune às contingências da vida, o envelhecimento, a doença ou a morte.

E, claramente, a pandemia acaba com essa ilusão. Não vejo muito problema nisso, nem mesmo uma oportunidade. Não acredito que seja conveniente sobrecarregar ou sustentar excessivamente a imagem de um analista imune, não atravessado por nenhuma castração. Parece-me que isso impossibilita um final da análise em que o analista finalmente caia. E acho que a idéia de um analista do final da análise opera desde a primeira interpretação. A pandemia coloca em primeiro plano a vulnerabilidade, a fragilidade que nos habita, e acho que isso é um elemento central na cura.

É claro que ninguém deseja uma crise como a que estamos atravessando, mas ao mesmo, tempo a idéia de “crise” em nosso continente é discutível: é tão habitual estar em crise que seu caráter episódico é diluído.

Estamos acostumados a estar em crise, temos reflexos e, embora não tenhamos anticorpos para o coronavírus, os temos para enfrentar crises, talvez muito mais do que nossos colegas europeus. Praticar e transmitir a psicanálise em tempos de crise, a meu ver, leva-nos a resgatar o mais essencial e valioso do dispositivo analítico e das teorias com as quais operamos, evitando qualquer tentação burocrática. Ao mesmo tempo, recuperamos a marca da psicanálise original, quando Freud a inventou num momento crítico, o momento da decomposição do Império Austro-Húngaro.

Que medidas estão sendo adotadas em seu país ou em sua sociedade para manter os laços sociais em tempos de isolamento social? Qual é o papel do Instituto de Psicanálise neste momento?

Por razões sanitárias, nosso país adotou desde muito cedo uma quarentena relativamente rigorosa, que se mostrou eficaz (até agora) para tornar administrável a pandemia.

O Instituto não tem um papel ativo além de suas responsabilidades de ensino e transmissão, mas através da Diretoria da Associação e das instituições às quais pertencemos – FEPAL e IPA – houve uma participação ativa na discussão pública, onde a psicanálise tem coisas importantes a dizer. Sair de nossos consultórios para dizê-las, sem que isso implique desatender a especificidade de nosso ofício, parece-nos uma responsabilidade irrecusável como psicanalistas e como cidadãos. Pessoalmente, tento pensar, a partir de nossa disciplina, no que acontece tanto dentro da instituição – em seminários, reuniões ou supervisões – quanto fora dela, em encontros ou publicações analíticas e outras publicações destinadas a um público em geral.

Dentro do ambiente psicanalítico, existem muitos espaços de discussão. Isto ao menos nos faz pensar até que ponto o contato presencial é imprescindível. Uma prática historicamente muito localizada, como a psicanálise, de repente se encontra sem o apoio físico dos encontros presenciais, mas com uma amplitude inusitada, se abrem novos espaços de discussão, de trabalho, de análise e supervisão além das fronteiras da cidade. A fraternidade da psicanálise latino-americana – apesar da impossibilidade de realizar encontros como o planejado em Montevidéu- se fortalece por outros canais de comunicação.

No Instituto de sua Sociedade, estão se implementando algumas estratégias para que os membros filiados possam manter suas análises pessoais, continuar as supervisões e seminários teóricos? Quais são as medidas que estão sendo adotadas para atender aos analistas em formação?

Em um experimento que, desde o primeiro semestre, parece estar funcionando, transferimos todos nossos seminários e reuniões para plataformas virtuais. Também aprovamos a continuidade da análise didática e da supervisão oficial de maneira não presencial, perante a impossibilidade de fazê-lo presencialmente. Um novo grupo de candidatos ainda não teve a oportunidade de se encontrar fisicamente. Apesar das esporádicas idas e voltas com relação à quarentena obrigatória, por enquanto, não estão dadas as condições para retornar aos encontros presenciais em nossa sede.

Sociedad Iberoaméricana de Salud Mental en Internet

Código de Ética de SISMI

Federación Psicoanalítica de América Latina.
Está en conformidad con el Código de Ética de SISMI
Nº de Acreditación: 54079 | Fecha de Acreditación: 2 de Septiembre de 2011

SEDE PERMANENTE

LUIS B. CAVIA 2640 APTO. 603
MONTEVIDEO 11300, URUGUAY
INFO@FEPAL.ORG
TEL. / FAX: (598 2) 707 5026
WhatsApp: +598 92 19 19 99

Leia Mais
Entrevistas com os 7 Representantes da América Latina no Board da IPA – Gleda Brandão Araújo
X