Entrevista – Virginia Ungar

1.      A psicanálise no nosso continente foi construída a partir de uma base conceitual científica europeia. Qual é a sua visão histórica sobre o movimento psicanalítico na América Latina? Quais são os impactos do contexto latino-americano que você percebe nas instituições de psicanálise e em seus institutos de formação? 

Penso que, antes de me referir à base conceitual, devo sublinhar que a psicanálise latino-americana nasceu graças à força e ao impulso dos pioneiros, aos quais se somaram os analistas que emigraram forçosamente de uma Europa dizimada pelo nazismo aos primeiros psicanalistas provenientes da psiquiatria, Pedagogia e outros campos das ciências sociais.

A primeira sociedade da API, a APA, fundada em Buenos Aires em 1942, é um bom exemplo do que acabei de dizer, uma vez que os membros fundadores foram Angel Garma (espanhol, que veio da Alemanha) Celes Cárcamo (argentino, que Eu havia treinado em Paris), Arnaldo Rascovsky, Enrique Pichon Rivièrey Marie Langer, (austríaca, que chegou naquele ano na Argentina).

A propósito, a base conceitual inicial era européia, centrada em Freud, não poderia ter sido de outra maneira. Então, e com base nos trabalhos de Melanie Klein e também de Anna Freud, a psicanálise de crianças teve um desenvolvimento tão importante em toda a América Latina que ainda surpreende os estudiosos de ciências sociais. Arminda Aberastury foi a pioneira mais proeminente nessa área na região e, portanto, a análise das crianças teve uma grande influência na pediatria, educação e cultura em geral.

Não é fácil resumir a história do movimento psicanalítico na América Latina, outras correntes foram incorporadas à psicanálise e isso inclui um interesse crescente no trabalho de Jacques Lacan por cerca de quarenta anos.

Também é verdade que houveram desenvolvimentos que transcenderam a região, como os de Enrique Pichon Riviere, José Bleger, Willy e Madeleine Baranger, David Liberman, David Rosenfeld, assim como o que poderia ser chamado de Escola de Psicanálise Vincular, liderada por Isidoro Berenstein e Janine Puget.

À medida que o número de traduções aumentou, as idéias dos autores mencionados apareceram mais nas referências bibliográficas e foram retrabalhadas em outras regiões. Apenas como exemplo, a teoria do campo de Baranger foi tomada como base para desenvolvimentos teóricos, técnicos e clínicos subsequentes.

Também a Biblioteca Virtual de Psicanálise (BiViPsil) deu uma contribuição muito importante na divulgação das contribuições latino-americanas.

Acredito que é responsabilidade dos Institutos da região incorporar as idéias dos autores latino-americanos em suas listas de leitura e de todos nós, membros e analistas em treinamento, levar idéias latino-americanas para fora da Região.

2.     Quais são as repercussões que os regimes autoritários tiveram na transmissão da práxis psicanalítica na América Latina? Existe alguma especificidade em função de seu contexto sociocultural?

Posso falar sobre o que aconteceu no meu país, cuja história é marcada por mais de um governo autoritário.

A história do último governo militar entre 1976 e 1983, que causou mais de 30.000 desaparecimentos, é bem conhecida; portanto, vou apenas comentar que o campo daqueles que trabalhavam em Saúde Mental não apenas não escapou dessa situação com analistas desaparecidos, alguns em seus locais de trabalho, mas também obrigou uma emigração forçada de muitos colegas.

A psicanálise trabalha com a verdade ou na busca da verdade em cada um. Se houver censura no país, se não houver liberdade de expressão, se a lei não prevalecer e a justiça se tornar uma estrutura que não funciona, a parte mais profunda e essencial de nossa prática é maculada. Os efeitos ainda estão sendo vistos, leva tempo para ver o impacto em uma perspectiva longitudinal.

Os direitos humanos implicam muito mais do que o mencionado, incluem igualdade de oportunidades, acesso à saúde e educação e trabalho, entre outras condições.

Também é verdade que habitamos hoje um mundo que frequentemente faz surgir os fantasmas de um passado que parece não ter sido eliminado em todas as suas dimensões. Eu respeito muito o conceito de memória, o de “nunca mais”, mas também me parece verdadeiro que devemos fazer um trabalho ativo para que esse passado horrível seja incorporado a uma história que, apesar de muitos de nós, se repita de forma crescente não apenas em nossa região, mas em todo o mundo.

Nesse processo, a psicanálise tem muito a contribuir e, de fato, estamos tentando ter não apenas uma voz, mas um escopo concreto, daí o programa de API na Comunidade, com seus comitês de educação (em todos os níveis), saúde, violência, Nações Unidas, Organizações Humanitárias, Cultura, com subcomissões como Refugiados e Migrações que fazem os analistas deixarem seus consultórios e instituições para trabalhar ao lado de profissionais que hoje enfrentam realidades extremamente problemáticas.

3.      Quais são as particularidades clínicas do tratamento psicanalítico de pessoas que sofreram com o mecanismo repressivo dos regimes ditatoriais (guerras, violência, imigração)? Qual é o enquadre possível para lidar com traumatismos tão severos como a tortura?


Não é fácil para mim responder de uma perspectiva clínica sobre o tratamento com pessoas que sofreram guerras, violência ou migração. De um lado, com cada paciente que atendemos, fazemos isso em sua singularidade. Por outro lado, não tive que tratar pacientes que sofreram tortura, mas posso dizer que o enquadre nunca pode ser algo fixo e imóvel, mas que cada situação terapêutica é única e o setting deve ser armado toda vez que estamos diante de uma análise. Houve contribuições muito importantes sobre o assunto, como as de Valentín Barenblit, Marcelo Viñar, Janine Puget, María Lucila Pelento e Julia Braun, entre outras. Alguns desses autores sofreram pessoalmente ou com membros da família os efeitos diretos das ditaduras militares e conseguiram continuar pensando e publicando sobre o assunto.

Em relação à questão, não penso nos aspectos formais do enquadre (não são difíceis de definir), mas no enquadre internalizado que permite ao analista sustentar um processo analítico e, acima de tudo, sua própria atitude analítica. Quando apresentei o trabalho pré-publicado do Congresso da API em Boston, me referi à caixa de ferramentas do analista, levando esse conceito de Foucault para se referir precisamente a este tópico.

Diante de situações de extrema violência, não é fácil para o terapeuta manter sua atitude de escuta e receptividade e ser capaz de pensar antes de atuar, mas não posso dar uma ideia de um enquadre específico, apenas que o encontro de cada analista de paciente precisa ter o liberdade para ser flexível, mas não diluído e não rígido, para que possa se expandir de acordo com a necessidade de cada dupla a cada momento. Sabemos que situações traumáticas limítrofes precisam de tempo e espaço para serem implantadas e o analista deve fornecer essas condições.

4.      Quais são os impasses da psicanálise contemporânea? O que a psicanálise pode oferecer para a sociedade atualmente?

Se eu falasse sobre impasse, levando em conta um conceito que foi estudado e trabalhado em Psicanálise por muitos autores, eu admitiria que há uma detenção de um processo e não acho que seja isso que esteja acontecendo.

Do lugar que ocupo, vejo outro panorama, uma psicanálise viva, desenvolvida, que leva mais em conta os jovens profissionais, mais próximos das organizações de analistas em formação, com grupos que solicitam formação em locais muito distantes dos centros clássicos da psicanálise e mais próximos da comunidade. O número de membros aumenta, talvez devagar, mas com firmeza, e atualmente a API tem cerca de 13.000 membros e 5.400 analistas em formação.

Isso não significa que não enfrentamos problemas internos e externos à nossa organização.

Com relação aos problemas internos, sempre há forças que resistem à mudança, mas se há algo que nós analistas conhecemos, é sobre a resistência.

Temos que continuar no caminho de tornar a voz da psicanálise ouvida em relação ao mundo tão difícil quanto a que habitamos. Penso que é precisamente aí que se encontra a chave para permanecer em vigor.

As forças que se opõem à psicanálise estão em outros lugares, nas empresas farmacêuticas, nas políticas de Educação e Saúde Pública, como exemplos. É importante não ficar confuso e continuar trabalhando para que tenhamos uma presença qualificada e em diálogo permanente com outras disciplinas, sabendo como ouvir o que outros campos podem nos ensinar.

5.      O próximo congresso da FEPAL, em 2020, terá como tema “Fronteiras”. De que ponto de vista abordaria as fronteiras psicanalíticas?

O termo fronteiras está localizado em uma área muito sensível em nosso tempo. Estamos cientes dos difíceis problemas enfrentados por milhões de pessoas, incluindo a população mais vulnerável do planeta, como as crianças, em relação à migração forçada e à separação de famílias. Tudo isso, se eles conseguem sobreviver a condições desumanas de traslado em um estado de desespero. Atravessar uma fronteira geográfica pode ser para milhões de pessoas um enfrentamento com a morte. E isso é muito sério.

O contra-argumento de alguns governos de que, ao rejeitar a imigração, eles estão cuidando dos empregos de seus habitantes é tão atraente quanto falso. Existem outras formas ligadas à operação de modelos econômicos que estimulam a criação de empregos. Não sou especialista nessas questões e não entrarei em detalhes sobre isso.

Por outro lado, a tão mencionada globalização parece tentar apagar o conceito de fronteiras, de bordas. Ajudada pela revolução da informação, essa ideia nos encoraja a considerar que todos fazemos parte de uma globalidade à qual devemos nos unir para não expirar. Poucas coisas minam o processo de subjetivação como os dois polos que mencionei anteriormente.

Também sobre esse assunto, sinto-me inclinado a falar do ponto de vista de alguém que tem a tarefa de gerenciar uma instituição tão grande e diversa quanto a API. Menciono isso com frequência: toda vez que fazemos uma reunião on-line com as três regiões da API às quais estamos adicionando a possível quarta região da Ásia-Pacífico, fazemos malabarismos como estar em Buenos Aires e no Rio às 8 da manhã, no Costa leste dos Estados Unidos às 7, para que um colega da Austrália, por exemplo, possa estar na reunião às 21 horas em seu país.

Não se trata apenas de horários, são os idiomas, costumes, cultura e história que marcam povos de diferentes singularidades. É uma imensa tarefa respeitar idiossincrasias, diferenças de oportunidades, diferentes tipos de governo e crenças. Penso que a tarefa não é integrar e apagar as diferenças, é ouvir e discutir com respeito e discutir as diferenças.

Na clínica, acho que você pode usar a mesma maneira de pensar sobre as situações clínicas de hoje. É muito simples apelar para rótulos de diagnóstico e até incorporar a palavra fronteiras em uma possível nosologia de origem psiquiátrica. Podemos fazê-lo para conversar entre profissionais ou com outras especialidades, mas não devemos perder de vista o fato de lidarmos com pessoas, únicas em sua singularidade e sempre pensar em relação a um contexto social e econômico.

Eu não acho que haja fronteiras para a psicanálise continuar ajudando a mitigar o sofrimento mental. E também contribuir, em diálogo com outras disciplinas, para intervir nos efeitos do mal-estar social.

Sociedad Iberoaméricana de Salud Mental en Internet

Código de Ética de SISMI

Federación Psicoanalítica de América Latina.
Está en conformidad con el Código de Ética de SISMI
Nº de Acreditación: 54079 | Fecha de Acreditación: 2 de Septiembre de 2011

SEDE PERMANENTE

LUIS B. CAVIA 2640 APTO. 603
MONTEVIDEO 11300, URUGUAY
INFO@FEPAL.ORG
TEL. / FAX: (598 2) 707 5026
WhatsApp: +598 92 19 19 99

Leia Mais
Manifesto convocação pela defesa dos direitos humanos e pela democracia