Entrevista com Regina Esteves

Acima: Bordado de Elias Braga, com nomes dos personagens, que serviu para a criação da capa de uma das edições de Grande sertão – veredas, de João Guimarães Rosa

“Na adolescência, a literatura me proporcionou um refúgio diante do impacto que as notícias veladas ou explícitas da época me causavam. Os tempos eram sombrios. E eu imaginava que jamais voltaria a viver esses tempos. Ledo engano!”

Regina Célia Cardoso Esteves é membro efetivo didata da Sociedade Psicanalítica de Fortaleza (SPFOR), onde atualmente exerce o cargo de presidente. É mestre em Educação pela Universidade Federal do Ceará e doutora em Psicologia  pela Universidade do Minho, em Portugal.

Entrevistada por Tiago Mussi

tiagofrancoh@gmail.com

1. Qual a relação entre literatura e psicanálise?

Acredito que um modo de responder seja a imagem do meu consultório, que me vem à mente neste momento. Livros de literatura dividem o espaço com os de psicanálise.

No encontro analítico, o paciente tem a possibilidade de entrar em contato com sua dor e, com a ajuda do analista, contar sua história e suportá-la. Como refere Hannah Arendt, toda dor pode ser suportada se sobre ela puder ser contada uma história.  

Na literatura, também encontramos um espaço para viver e contar nossa história, ou nossas histórias. Criamos cenários, nos identificamos com a personagem, nos inserimos no enredo, rimos e choramos. Às vezes, nos modificamos.

2. Como a literatura de ficção influencia no seu trabalho como psicanalista?

Em muitos momentos, no encontro ou desencontro com o paciente na sessão de análise, os autores literários tomam a frente, mostram-me o caminho. Às vezes, ocorre o inverso: a literatura me leva a buscar na psicanálise as possíveis respostas às minhas indagações.

Gostaria de citar um exemplo. O livro As pequenas memórias (2006), de Saramago, levou-me a buscar uma compreensão psicanalítica para essa obra e a escrever um ensaio sobre lembranças encobridoras.

Saramago refere:  “Às vezes pergunto-me se certas recordações são realmente minhas.  Muitas vezes esquecemos o que gostaríamos de poder recordar, outras vezes, recorrentes, obsessivas, reagindo ao mínimo estímulo, vêm-nos do passado imagens, palavras soltas, fulgurâncias, iluminações, e não há explicação para elas, não as convocámos, mas elas aí estão.”

Em Lembranças encobridoras (1901), de Freud, podemos ver quão impressionante é a escolha executada pela memória entre os elementos da experiência, que chega a suprimir o que é importante e reter o indiferente. E, ainda, que o indiferente não é tão indiferente, uma vez que a memória mnêmica indiferente foi produzida e, em algum grau, deslocada associativamente do evento original, que, por alguma razão, não pode ser lembrado. A lembrança que substitui a original perde os elementos importantes e surpreende pela trivialidade.

3. Que obra ou autor de literatura mais a inspirou a ser criativa em seu trabalho?

Eleger um autor torna-se tarefa difícil. Desde criança sou leitora assídua, quase compulsiva, o que me trouxe algumas complicações. Venho de uma família que sempre privilegiou o trabalho, a produção. À época, ler era sinônimo de ócio, de lazer indevido. Minhas leituras davam-se quase que às escondidas, acompanhadas de um sentimento de desobediência aos ditames familiares. Mergulhada nos contos de fadas inicialmente e, posteriormente, imersa nas crônicas publicadas em jornais e nos contos de autores brasileiros e estrangeiros, era geralmente surpreendida por advertências para retornar ao trabalho. Hoje entendo por que preferia esse tipo de leitura: eram mais curtos e havia tempo de concluir. Os romances vieram depois, quando desenvolvi melhor a capacidade de tolerar a frustração diante da interrupção da leitura e a capacidade de espera para retomá-la. Devo dizer que, na adolescência, a literatura me proporcionou um refúgio diante do impacto que as notícias veladas ou explícitas da época me causavam. Os tempos eram sombrios. E eu imaginava que jamais voltaria a viver esses tempos. Ledo engano!

Mas, se tivesse de apontar um único autor e uma de suas obras, e o tamanho da influência causada não só no meu trabalho como na vida, seria Grande sertão veredas, de João Guimarães Rosa. Da escrita estranha e quase incompreensível no princípio ao mergulho nas veredas da minha mente, deparei-me com verdadeira transformação: o sertão está em toda parte… viver é muito perigoso… qualquer amor já é um pouquinho de saúde, um descanso na loucura.

Sociedad Iberoaméricana de Salud Mental en Internet

Código de Ética de SISMI

Federación Psicoanalítica de América Latina.
Está en conformidad con el Código de Ética de SISMI
Nº de Acreditación: 54079 | Fecha de Acreditación: 2 de Septiembre de 2011

SEDE PERMANENTE

LUIS B. CAVIA 2640 APTO. 603
MONTEVIDEO 11300, URUGUAY
INFO@FEPAL.ORG
TEL. / FAX: (598 2) 707 5026
WhatsApp: +598 92 19 19 99

Leia Mais
Índice por autor/a