Diálogo sobre o período gestacional – Parte I

por Equipe Semear

O Semear convidou a Analista Hilda Botero* , e a Psicóloga Cristiane da Silva Geraldo Folino** para dialogarem através da escrita sobre alguns aspectos do período gestacional.

A primeira parte dessa “conversa” você confere abaixo. Dentro de alguns dias publicaremos a segunda etapa desse diálogo.

Até lá, o Semear convida a todos para seguirem contribuindo com esse bate papo nos comentários!

GESTAÇÃO …

Parte I

H – Cristiane, vamos inaugurar esse convite para o diálogo.  O que achas?

H – Escolhemos, por convenção, um ponto de partida para a ‘Gestação’ e a partir daí visitamos o berço do nascimento… Quando nascemos? Eu proponho: O “big-bang” do momento da concepção lança um universo para ser povoado de ilusões, fantasias, planos… amor. Também surge ambivalência, renúncia, rejeição e uma gama de emoções complexas que dão origem a uma jornada do acaso e acontecimentos acompanhados com ritmos, melodias e canções de ninar que embalam esse bebê que surge agora em um tempo-espaço emocional.

C – Quando observamos alguém gestando, podemos não nos dar por conta de que esse estado faz parte de um processo impactante, parte dos preparativos necessários para a mulher se tornar mãe, graças à interação proposta pelo bebê.

Ela impõe uma transformação psíquica, tão essencial quanto a física, que nem sempre é levada em conta.  Agora, não só o seu corpo gesticula … estados psíquicos especiais de maior sensibilidade são experimentados ao longo do processo gestacional.

H – Isto é narrado como “um útero mental gestando…”  Começa a história de um relacionamento nascente, nove meses de eventos, cadências, rumores, murmúrios de um mundo extra-uterino apenas imaginado.  O diálogo emocional está instalado.

C – Apesar de trazer certa dose de desestabilização, a mãe está com uma sensibilidade exacerbada que é essencial para que a mulher possa se conectar intimamente com a criança.

H – Ah! … Agora, desde quando nós ‘observamos’ um bebê?  Observamos a mãe durante a gravidez e inferimos alguns dados dessa relação que está sendo tecida entre ambos. A mãe, com o olho da mente, desde quando observa?  Que tecido os dois usam na gestação para sustentar essa ponte relacional, para  se embalarem, mãe e bebê?  Que outro útero emocional contém a mãe, absorvida nos sussurros mudos de seu bebê?  Como observamos o pai gestando um vínculo fortaleza… contendo essa experiência de gestação?

C – Quando um bebê é esperado, é necessário nutri-lo com nutrientes essenciais.  Uma mãe e um pai também nascem para cada novo bebê, e juntos eles trabalharão com esse novo ser uma experiência emocional particular.

H – Parte dessa alimentação é observada na forma como o bebê pré-natal configura uma intensa experiência relacional com a voz de sua mãe, não apenas reconhece sua voz em um horizonte auditivo, como também impregna o ritmo e a música de sua futura língua materna.  Esse encontro acompanha a vida no útero. A voz da mãe é um organizador psíquico durante o período pré-natal, como uma proposta de contato com elementos vitais para o desenvolvimento harmonioso da personalidade.

Vamos continuar pensando e falando… ok?

*Coordenadora da Associação Latino-ameriaca de Observação de Bebês – ALOBB e Membro Titular da Asociación Psicoanalítica Colombiana.

** Membro do Departamento de Saúde Mental da Sociedade de Pediatria de São Paulo e Observadora de Bebês.

Sociedad Iberoaméricana de Salud Mental en Internet

Código de Ética de SISMI

Federación Psicoanalítica de América Latina.
Está en conformidad con el Código de Ética de SISMI
Nº de Acreditación: 54079 | Fecha de Acreditación: 2 de Septiembre de 2011

SEDE PERMANENTE

LUIS B. CAVIA 2640 APTO. 603
MONTEVIDEO 11300, URUGUAY
INFO@FEPAL.ORG
TEL. / FAX: (598 2) 707 5026
WhatsApp: +598 92 19 19 99

Leia Mais
Entrevista com Enrique Torres