Carnaval na América Latina

Durante os dias que antecedem a Quaresma, e mesmo antes e depois do seu início, milhões de pessoas na América Latina tomam as ruas para dançar, tocar música, beber e divertir-se.Muitos destes lugares fazem-no através de tradições invulgares e surpreendentes.  Apresentamo-lo aqui começando do sul para o norte, e terminando com algo do Caribe.

URUGUAI
O carnaval de Montevideo é reconhecido como o mais longo do mundo, durando 40 dias.Tem dois aspectos complementares principais: as murgas, de origem espanhola, cuja letra tem um elevado conteúdo de humor e sátira social e política, e que desempenharam um papel sócio-cultural importante durante a ditadura (1973-1984); e o cadobe, que recria as origens africanas dos escravos negros e da era colonial.

O carnaval começa oficialmente em meados de Janeiro, com o seu desfile inaugural, e as festividades duram até ao início de Março, com actuações todas as noites em palcos populares e comerciais nos bairros. Apresentam-se também nos corsos e desfiles de rua, e no Teatro Municipal de Verano, onde se realiza o Concurso Oficial de Agrupaciones de Carnaval.

ARGENTINA
O carnaval de Gualeguaychu (cidade da província de Entre Rios) é considerado o maior e mais relevante carnaval argentino. Há vários desfiles e festas, famosos pelos seus dançarinos, pelos seus participantes e pelos seus grandes carros alegóricos decorados.Realizam-se todos os sábados de Janeiro e Fevereiro, quando toda a cidade é mobilizada para os desfiles mais espectaculares, que atraem milhares de pessoas de toda a região.

PARAGUAI
A cidade de Encarnación proclama-se a “Capital do Carnaval do Paraguai”. É uma das festas mais animadas da região. Tem um sambódromo permanente com capacidade para 12.000 pessoas. É habitual pulverizar “neve” (espuma de barbear ou tinta branca) sobre os participantes das festividades. Recriar a neve de Inverno no intenso calor do Verão paraguaio faz parte da fantasia de Encarnación. 

BOLÍVIA
Destaca-se o carnaval de Oruro, uma cidade de tradição mineira no Altiplano boliviano.Celebra a tradição das “diabladas”, grupos de diabos, numa dança típica da região, cada um dos seus membros encarnando uma série de diabos e diabladas, numa batalha entre o bem e o mal. São grupos de demónios e anjos disfarçados, e dançarinos representando os sete pecados mortais: orgulho, ganância, luxúria, raiva, gula, inveja e preguiça.

Tem profundas raízes indígenas, desde o tempo em que a região era um importante centro religioso e os colonizadores espanhóis não reconheciam as celebrações nativas, impondo à força as tradições católicas.

Celebra a tradição das “diabladas”, grupos de diabos, numa dança típica da região, cada um dos seus membros encarnando uma série de diabos e diabladas, numa batalha entre o bem e o mal. São grupos de demônios e anjos fantasiados, e dançarinos representando os sete pecados capitais: orgulho, ganância, luxúria, raiva, gula, inveja e preguiça.

Tem profundas raízes indígenas, desde o tempo em que a região era um importante centro religioso e os colonizadores espanhóis não reconheciam as celebrações nativas e impunham à força as tradições católicas. O desfile dura quase 20 horas e, no meio de tradições católicas e pagãs, pode-se ver belos trajes feitos à mão, música, danças e oferendas feitas à mãe terra, à virgem do poço da mina e ao El Tio, o tradicional zelador das minas de prata locais.

PERU
No Peru, cada região, tem o seu próprio carnaval, no qual o natural e o sobrenatural, o religioso e o pagão se misturam. Entre eles: O Carnaval de Puno, de Cusco, de Cajamarca, de Ayacucho, de Juliaca, de Arequipa e de Jauja. É celebrado nos meses de Fevereiro e Março. São grupos compostos por jovens solteiros, que dançam animadamente pelas ruas, num concurso para desafiar a residência do sexo oposto. Há também o ritual da yunza (o umisha na selva, e o cortamonte na costa). As pessoas dançam em pares à volta da Yunza, uma árvore enorme que é plantada no solo. A ideia é cortar a árvore para que ela caia, e o casal que der o corte final é o que ficará encarregado de organizar a yunza do próximo ano.

Sociedad Iberoaméricana de Salud Mental en Internet

Código de Ética de SISMI

Federación Psicoanalítica de América Latina.
Está en conformidad con el Código de Ética de SISMI
Nº de Acreditación: 54079 | Fecha de Acreditación: 2 de Septiembre de 2011

SEDE PERMANENTE

LUIS B. CAVIA 2640 APTO. 603
MONTEVIDEO 11300, URUGUAY
INFO@FEPAL.ORG
TEL. / FAX: (598 2) 707 5026
WhatsApp: +598 92 19 19 99

Leia Mais
Fronteras en Expansión Buscando Horizontes Posibles
X