“A prosa de uma interpretação e de uma psicanálise só terá força se for impregnada pela poesia.”

Capa do livro “A arte de tratar – por uma psicanálise estética”

Celso Gutfreind, psicanalista de crianças e adultos, membro titular com funções didáticas pela Sociedade Brasileira de Psicanálise de Porto Alegre, doutor em psicologia pela Universidade de Paris, escritor de vários livros, entre os quais A arte de tratar – por uma psicanálise estética (Artmed, 2019).

Entrevistado por Tiago Mussi (tiagofrancoh@gmail.com)

Qual a relação entre literatura e psicanálise?

A relação entre literatura e psicanálise é imensa, acho que só podemos falar nas relações, assim no plural, abertas e, talvez, intermináveis, como a psicanálise. A partir da minha experiência como escritor e psicanalista, posso selecionar algumas possibilidades e tentar sintetizá-las:

– Conforme assinalam na excelente introdução para esta entrevista, a literatura está presente ao longo de toda a obra do Freud. Era um apaixonado por ela, leitor contumaz e convicto, e sabemos que a arte literária dividia com a escultura e a pintura as suas preferências, em termos de arte. Isso seria tão somente uma curiosidade histórica ou pessoal, se não soubéssemos também que carros-chefes da psicanálise encontram a sua referência nos textos de Freud, clássicos ou não. Como sistematizaria o Complexo de Édipo sem Sófocles? E a Interpretação dos Sonhos sem Shakespeare ou Goethe ou Jensen?

Neste sentido, podemos afirmar que, sem a literatura, a obra de Freud não teria existido, pelo menos não dessa maneira, pois é difícil imaginar que ele fosse buscar exemplos, imagens, analogias fundamentais para a sua teoria em outra parte.

No embalo, há consenso de que a sua escrita, variada, heterogênea e multiforme pode ser considerada igualmente literária (o prêmio Goethe), por mais que seja ensaística e científica (não entraremos, neste breve espaço, na questão do gênero de seus textos).

Mas as relações não se esgotam. Com origem em Freud e aprofundado em pós-freudianos como Bion, acreditamos, hoje, que analisar é dominar a arte da palavra. Não me refiro à “talking cure”, ideia presente já nos estudos iniciais sobre a histeria, mas à necessidade de contarmos com interpretações abertas, não saturadas, ao melhor estilo do que apontamos como uma boa literatura, uma obra aberta, como bem definiu Umberto Eco. E uma boa análise.

A análise busca a representação verbal e, como bem exemplificaram com Borges, a chegada à palavra, objetivo em comum da psicanálise e da literatura, significa a chegada à ficção, com toda a ambiguidade que lhe é inerente.

Mas, aqui, em torno da palavra, poderíamos continuar o assunto dessas relações para sempre.

Como a literatura de ficção influencia no seu trabalho enquanto psicanalista?

A influência da literatura de ficção no meu trabalho de psicanalista é enorme e, como na pergunta anterior, vem desmembrada em muitas possibilidades e, talvez, interminável igualmente.

Li e leio muita ficção, fui forjado e constituído pela arte, a literatura em especial e não seria um psicanalista se não houvesse essa parte importante em minha história. Costumo pensar e dizer que a psicanálise foi o que de mais próximo encontrei da literatura, eu a vejo como literária, pois seu corpus teórico está em textos bem escritos (Freud) e, como vimos, sua prática envolve arsenais análogos ao da literatura. Acho que foi a forma mais literária que encontrei de “ganhar” a vida.

Não fosse eu, desde sempre, um neurótico de razoável sofrimento psíquico e saúde para ter o desejo de compreendê-lo, eu me dedicaria tão somente à literatura e não juntaria com a psicanálise, como faço, por esses motivos, talvez.

Mas há mais: é frequente que, quando penso em um paciente e tento compreendê-lo, me ocorram exemplos literários, um personagem de Machado aqui, um conto de Dalton Trevisan ali, um poema de Fernando Pessoa acolá e assim por diante.

Mas há mais: a minha pesquisa de doutorado, em psicanálise, foi clínica, inventando uma técnica de utilização do conto infantil (ficção) para tratar crianças separadas de seus pais e vivendo em abrigos na França. O mediador, ali, não foi o desenho ou o jogo, como costuma ser. Foi o conto, a ficção, a metáfora literária, que se mostrou muito efetiva para que aquelas crianças pudessem expressar, dizer, contar e elaborar o seu sofrimento psíquico. Ou seja, analisar-se. E, como, ainda hoje, tantos anos depois, utilizo muito o conto infantil na minha clínica com crianças, posso dizer que a ficção me acompanha no dia-a-dia do meu trabalho.

Que obra ou autor de literatura mais o inspirou a ser criativo em seu trabalho?

Difícil, senão impossível, responder a essa pergunta. Sou um leitor compulsivo, sempre li e leio muito e seria uma injustiça com a minha história de leitor apontar, aqui, um só caminho ou referência. Freud, por exemplo. Quando comecei a ler Freud diretamente, ainda na faculdade, não me apaixonei pelo seu texto. Um pouco pela tradução, outro porque não estava acostumado a ler ensaios. Eu lia ficção. À medida que fui relendo, encontrei o Freud mais literário que me remeteu aos autores que eu já lia, como Shakespeare e Goethe. Foi então que me apaixonei por ler o Freud, então posso dizer que ele me inspira muito, mas a partir desses escritores, entre tantos outros.

Sou realmente apaixonado pelos contos de fada, recolhidos pelos irmãos Grimm, ou por Perrault, ou escritos pelo Andersen, o que também me fez seguir aquele caminho para o doutorado. Até hoje os leio e os releio, porque me inspiram a tentar encontrar metáforas para os meus sofrimentos e os de meus pacientes.

A lista, repito, seria interminável, mas não posso terminá-la sem deixar de dizer que sou poeta, muito antes de me tornar psicanalista. Sou poeta desde a adolescência e psicanalista há tão somente duas décadas. Ler os poetas me inspirou a me tornar um deles e, sobretudo, a me tornar um deles com a psicanálise. Por isso autores como Ogden, Winnicott e Pontalis, entre tantos outros, também me inspiram.

Acredito que eles entenderam que a prosa de uma interpretação e de uma psicanálise só terá força se for impregnada pela poesia.

Sociedad Iberoaméricana de Salud Mental en Internet

Código de Ética de SISMI

Federación Psicoanalítica de América Latina.
Está en conformidad con el Código de Ética de SISMI
Nº de Acreditación: 54079 | Fecha de Acreditación: 2 de Septiembre de 2011

SEDE PERMANENTE

LUIS B. CAVIA 2640 APTO. 603
MONTEVIDEO 11300, URUGUAY
INFO@FEPAL.ORG
TEL. / FAX: (598 2) 707 5026
WhatsApp: +598 92 19 19 99

Leia Mais
Encerramento do Congresso FEPAL 2014 – Buenos Aires